top of page

Um poema sempre atual

avanço


a cada dia

em meu país

uma nova arma

mais primitiva

que a anterior

Posts recentes

Ver tudo

2 — Martín Gambarotta

Na segunda estante, um garfo torcido entre o álcool puro e as giletes usadas. Sobre a geladeira treme uma estatuazinha: é um tenista banhado em ouro falso no ato de sacar o primeiro serviço. Cada minu

Tédio do tempo — Ida Vitale

Não mais êxtase no labirinto. Pedra se é debaixo da pedra, pedra, adormecida pedra. Debaixo d’água, água, um mar entre peixes, voz, vontade apenas de água. Ar no ar, na tormenta ou no mormaço. E pó, f

Meu avô — Fernan Correale

Meu avô foi amigo de Fogwill não sei se Fogwill foi amigo de meu avô. Fogwill nadava no rio e meu avô pilotava o veleiro de Fogwill. Vendo-o à distância. Sempre disse que foi um excelente nadador. Fog

Comentários


bottom of page