top of page

Fusão — Cristina Peri Rossi

Não conheço outra maneira de superar

o tempo e seus relógios

os dias e seus desgostos

suas enxaquecas suas taxas de desemprego

suas turbulências mundiais

suas injustiças

mais que esta fusão de corpos

de peles e de sexos

este espaço sem fronteiras

este tempo sem controles

esta liberdade enfim de se encadear

ao que se ama

não ao que se obedece

submissas ao amor

e não aos hemisférios

nem às convicções

nem aos impérios

nem sequer às leis físicas

que fazem de um encontro emocional

a fricção de peles músculos e salivas.

Einstein descobriu que o tempo e o espaço

são metáforas

mesmo que eu ainda não saiba

metáfora do que somos tu e eu

talvez de uma antiga melodia do universo

antes de sua decomposição.

Posts recentes

Ver tudo

Isso — Idea Vilariño

Meu cansaço minha angústia minha alegria meu pavor minha humildade minhas noites todas minha nostalgia do ano de mil novecentos e trinta meu senso comum minha rebeldia. Meu desdém minha crueldade e me

Final — Fabián Casas

Este é o pátio onde fui criança. As lajes se gastaram um pouco e as plantas cresceram pelas fendas das paredes. Na solidão da casa abandonada tenho a terrível certeza de estar parado sobre um equívoco

Esta mulher — Circe Maia

Um pranto desperta esta mulher: se levanta meio adormecida. Prepara um leite em silêncio cortado por pequenos ruídos de cozinha. Olha como envolve seu tempo e nele está viva. Suas horas fortemente tra

Comments


bottom of page